17 de out de 2009

TESTEMUNHAR É DAR A VIDA POR UMA CAUSA



Ao propor dissertar sobre o valor do testemunho do cristão ao mundo, deparamos com uma das determinações mais abordadas para a Igreja do Senhor. Deus anseia pelo exercício de fé de cada um dos seus filhos, que é propagar, compartilhar daquilo que se alcança a todos a nossa volta, sejam quais forem as circunstâncias que nos envolvam.

O testemunho do crente, ou melhor, o bom testemunho é o que trará a possibilidade de aceitação do evangelho e permitirá que o incrédulo se depare com a verdade vivenciada com qualidade pelos membros do Corpo de Cristo.

O apóstolo Paulo é um bom exemplo de seguidor de Jesus que levava em conta a missão de testemunhar, pois entendia que mesmo em circunstâncias que eram desfavoráveis, mesmo assim devia fazê-lo. Sabia direcionar seu coração a obediência a Deus e fazer a vontade do Senhor. Ao ser preso e conduzido a Roma entendeu e visualizou a condição de levar o evangelho ao Imperador e à Coorte Romana. Ainda que de fato sob correntes, saia o apóstolo que era inocente e que por inveja dos sacerdotes estava sob acusação, pois usou essa fala em sua defesa "Se fiz algum agravo, ou cometi alguma coisa digna de morte, não recuso morrer; mas, se nada há das coisas de que estes me acusam ninguém me pode entregar a eles; apelo para César" (Atos 26: 11).

Antes mesmo de chegar a Roma, ainda de diante de Félix, o responsável pela segurança em Jerusalém, pôde arguir com todo o entusiasmo o seu testemunho, começando pelo seu encontro com Cristo e prosseguindo até a sua incumbência de difundir igrejas por onde passava (Atos 26: 16). Paulo advogava muito bem sua missão e exercício de fé, como relata o que foi dito por Cristo em seu encontro no caminho de Damasco: "mas levanta-te e põe-te em pé; pois para isto te apareci, para te fazer ministro e testemunha tanto das coisas em que me tens visto como daquelas em que te hei de aparecer". Ainda a discorrer desse fato afirma: "Pelo que, ó rei Agripa, não fui desobediente à visão celestial," (Atos 26: 19).

No livro de Atos dos Apóstolos capítulo primeiro Lucas aborda a comissão de Jesus quanto à ordem de propagar o evangelho: "Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e serão minhas testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra". Com essa prerrogativa a igreja trabalhou com muito ardor para a pregação do evangelho. Sabe-se que muitos se tornaram mártires, pois deram a sua vida pela causa do evangelho. Venceram o mundo com todos os oponentes como se lê: "E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até a morte" (Apocalipse 12: 11). Daí subentende-se o conceito de testemunhar com algo muito sério na trajetória de fé do cristão, já que quando uma testemunha coloca em jogo sua vida ao se dispor a defender uma causa, pois deve estar disposto a perder a sua vida por uma causa. A palavra, "Testemunho" (marturia – Grego) vem de uma palavra cuja raiz tem vários significados como "testemunhando," "testemunho," "testemunha" e "mártir", derivando mártir. O seguidor de Cristo deve ter disposição a perder sua liberdade ou mesmo sua vida em prol do evangelho do Senhor.

Martin Luter King afirmou certa feita: "um homem que não morreria por algo não é digno de viver". Essa frase repercutiu em sua época e até hoje é lembrada, pois em defesa da causa dos negros americanos lutou e desafiou o sistema político de seu tempo.Hoje, diante dos desafios atuais, o Senhor chama a sua igreja a se portar com compromisso e abnegação diante da incumbência de servi-Lo e representá-Lo, pois é por meio do nosso testemunho que o mundo receberá a revelação de quem o Senhor realmente é; como se lê na carta de Paulo aos Romanos capítulo oito que diz que o universo espera a manifestação dos filhos de Deus! Essa manifestação será revelada pelo comprometimento dos cristãos com o seu Senhor.

Que em nosso dia-a-dia sejamos comprometidos com os valores explícitos e implícitos na Palavra de Deus, cujo segundo o que Paulo nos revela é: "porquanto, tudo que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que, pela constância e pela consolação provenientes das Escrituras, tenhamos esperança". A maior promessa que temos do Senhor é que a sua palavra irá se cumprir, pois estará conosco e os seus sinais nos acompanharão!

13 de out de 2009

DE BOI EU ENTENDO!

Sempre aprendemos algo de valor com quem está a nossa volta, por mais que julguemos rodeados por pessoas em grau inferior de conhecimento. Acerca desse assunto o apóstolo Paulo sugeriu que julgássemos os outros superiores a nós mesmos. Contudo, o que se vê é muita gente que não entende, mas pensa que entende e faz um julgamento muita acima de si mesmo, numa pretensa de superioridade infeliz.
Um conselho foi dado ao jovem pastor Timóteo por seu pai na fé que buscasse o Senhor para se obter entendimento em tudo. Em nosso relacionamento com Jesus precisamos nos aprimorar em algum dom ou função no corpo de Cristo. Somos chamados para o exercício de nossa fé, o qual deve ser pautado na nossa experiência com o Espírito Santo que nos auxilia e nos guia em toda a verdade.
Ao ler a série de livros de batalha espiritual do autor Peter Wagner, encontrei um relato de um episódio engraçado que marcou meu viver. Narra-se a história de um pastor que fora enviado para pastorear uma igrejinha numa cidade rural. O pastor, em certo culto, recebeu a visita de um dos maiores pecuarista da região. Permaneceu no último banco da igreja o culto todo, e foi embora sem conversar com o pastor. Assim agiu por alguns dias.
Certa vez chegou para o pastor e disse que queria aceitar Jesus como Senhor e Salvador de sua vida, o que foi de intrigar o pastor que perguntou ao pecuarista o que acontecera para se tomar tão grande decisão. Em resposta ouviu: Jesus ressuscitou meu touro reprodutor! Admirado, o pastor questionou como teria sido tal milagre. O pecuarista disse que em certo culto, durante a pregação o pastor falara de um óleo sagrado que entregaria a todos da igreja, ao que ele foi ao culto e levou para casa o frasco de azeite.
Num determinado dia seu capataz chegara assustado em seu gabinete dizendo que não sabia o que havia acontecido, mas o touro reprodutor da fazenda estava morto. Sem se apavorar o dono da fazenda apanhou o frasco de azeite e foi ao local onde se encontrava o animal morto. Ao lembrar-se do sermão do pastor acerca do poder da fé, colocou azeite em suas mãos pôs as mãos sobre o animal fez uma oração e logo seu animal estava de pé. O Senhor o tinha ressuscitado!
Ao ouvir tal história o pastor disse que era bem possível que o animal não tivesse morto, mas sim desmaiado, ao que logo interviu o pecuarista dizendo: “Pastor, o senhor entende de alma, o senhor prega e curas acontecem! De boi eu entendo! Ele estava morto e Jesus o ressuscitou!”
O pecuarista com essa fala persuadiu o pastor que aceitou a posição deste.
A igreja logo começou a ser visitada por todos os amigos do pecuarista daquela região. O testemunho daquele fazendeiro foi a voz de comando para um grande avivamento naquela cidade. Agora uma coisa é verdade, se cada um de nós fizesse o que de fato entendemos, a igreja de Cristo alcançaria uma nova realidade espiritual! Há poucos que se aplicam em sua desenvoltura de aprendizado e discipulado.