25 de jul de 2009

A visão que eu tenho de mim mesmo influencia a imagem que tenho dos outros

Há algo que tem muita importância em cada um de nós, que é a auto-estima, pois tudo que carregamos a nosso respeito está incutido nela e revelado às pessoas por meio das atitudes, já que pelas atitudes refletimos o que há imbuído em nossa personalidade.
Com o passar do tempo em nossa vida, de acordo com o que vivemos e as experiências que obtemos, e isso desde os períodos mais remotos de nossa infância e ainda do estágio do qual não temos recordações, mas que em nosso inconsciente, sentimentos ficam adormecidos, e com o decorrer dos dias tais sentimentos vão sendo expostos, marcas que foram colocadas em nosso interior e que de algum modo regerão e governarão nosso comportamento e padrão de vida.
O ambiente em que o homem é inserido corresponde a um dos agentes responsáveis pelo modo como reage ante as circunstancia que o circundam. O ser humano pode ser e é influenciado pelo meio, por esse motivo o apóstolo Paulo escreveu aos romanos para não se amoldarem com este mundo, ou seja, com o padrão regente de estilos e comportamentos que poluem a sociedade, ou seja, o ambiente em que você vive (Rm 12:2).
O pecado surgiu no Éden devido à sugestão que a serpente deu à mulher, e esta sugeriu ao homem comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Muito embora o homem pudesse recusar tal oferta, devido seu livre arbítrio, mesmo assim foi seduzido e assediado por sua esposa foi levado a consumar o ato.
O ambiente molda e acomoda valores na mente do homem, conduzindo-o a conformação junto à sociedade. Isso por sua vez o remete a uma conduta coerente e concorde aos padrões culturais que o envolve.
A Bíblia reserva em suas páginas o conteúdo histórico de um período de sofrimento que o povo hebreu viveu em servidão aos midianitas. Nesse ínterim, Deus apareceu a um hebreu por nome Gideão. O desejo do Senhor era motivá-lo a formar um exército e lutar contra seus dominadores.
O relato do diálogo do Senhor com Gideão dá amostra de como se encontrava o coração deste, haja vista a maneira como responde à saudação que lhe é feita. Deus possuía uma bom conceito do homem que estava à sua frente, porém esse homem carregava de si mesmo uma péssima imagem.
Sem se importar com a saudação que dizia sobre seu valor, esse homem coloca em foco a condição atual do seu povo, isso, pois o ambiente tem sua importância no contexto emocional e sua proporção na estrutura do ser humano, ainda que o intelectual tenha parcela contribuinte na conduta deste, na maioria das vezes as decisões são tomadas a partir das emoções.
Deus via Gideão como vencedor e competente para liderar um exercito, contudo, a situação de humilhação que permeava a totalidade dos fatos conhecidos fazia-o ver a si mesmo como derrotado. Ao se sentir abandonado pelo seu Deus, sua perspectiva o conduzia a uma visão de um Deus distante, e esse foi seu argumento. Gideão via-se a si mesmo como fraco, impotente, pequeno e desprezado.
Deus acredita no ser humano, e por isso o delega a algumas tarefas, ainda que muitas vezes o homem não acredite em si mesmo, o que o faz desacreditar- se de seu potencial e do chamado que Deus o faz.
A experiência que Gideão adquiriu junto a sua família impunha um malefício à sua conduta e a seu temperamento, e era exatamente o que o Senhor queria tratar em Gideão, libertá-lo desses sintomas traumáticos que maltratavam sua alma.
O que ocorria com esse homem também ocorre com muitos hoje em dia, pois há um grande número de pessoas que sofrem por terem uma auto-estima muito baixa, haja vista a quantidade de pessoas que nada tem por falta de ousadia e determinação. Até para atestar o que disse Henry Ford: “há mais pessoas que desistem do que pessoas que fracassam”. Pois para fracassar é preciso começar e ir até o final, já desistir pode ser antes mesmo de começar.
O encontro que Deus teve com Gideão propiciou uma transformação na pessoa deste. Seu modo de se ver modificou, a visão de mundo também, sua ótica a respeito de Deus e expectativa de vida e de futuro alterou.
O homem que outrora humilhado e fracassado passou a viver com uma nova perspectiva, e conseguiu formar um exército de 32 mil homens que seguiam seus ideais (embora que a principio). Passou a se ver como vencedor e não como derrotado, de fraco se viu fortalecido em sua fé no Senhor. Tornou-se juiz e líder do seu povo.
Não permita que a visão que o mundo fornece a você dirija a sua vida, mas deixe Deus tratar seus sentimentos e emoções para que você tenha uma nova visão de si mesmo, e dessa forma veja também quem está ao seu lado, influenciando todos em sua volta.
Livro de Juízes cap. 6 e 7.

Nenhum comentário:

Postar um comentário